BC pretende iniciar projeto de educação financeira começa em janeiro de 2021

24/11/2020

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, disse nesta 2ª feira (23.nov.2020) que ficará pronto em janeiro de 2021 o projeto piloto de educação financeira em parceria com as instituições financeiras. Haverá uma plataforma nos bancos e outras empresas do setor que dará vantagens aos participantes. Campos Neto disse que o planejamento financeiro, a poupança e o uso consciente dos recursos são importantes no momento em que “tantas famílias ainda sofrem os efeitos decorrentes da pandemia causada pela covid-19”.

Campos Neto afirma que, com conhecimento para ter organização das finanças pessoais e tomar decisões, o cidadão ajuda a aumentar a eficiência do setor financeiro. O conhecimento abre portas para produtos e serviços mais sofisticados, além de diminuir a inadimplência. A educação financeira é um dos segmentos da chamada Agenda BC# de inovação financeira. Campos Neto afirmou que o Banco Central criou o projeto Aprender Valor, que tem como objetivo levar educação financeira às escolas públicas do ensino fundamental com a BNCC (Base Nacional Comum Curricular).

As aulas ainda estão em projeto piloto em 6 unidades da Federação: Ceará, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará e Paraná. “Com a expansão para os demais Estados, a partir do 2º semestre de 2021, o Aprender Valor tem o potencial de chegar aos cerca de 21 milhões de estudantes do ensino fundamental de escolas públicas de todo o país”, afirmou Campos Neto. As declarações foram feitas durante a 7ª Semana Nacional de Educação Financeira. Campos Neto também disse que, em setembro de 2019, o Banco Central estabeleceu princípios para que as instituições financeiras promovam a educação financeira. Bancos e outras empresas do setor têm que assumir “crescente responsabilidade” para a promoção de ações efetivas ao conhecimento dos clientes.

PROJETO EM 2021

O BC assinou um acordo de cooperação técnica com a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) para a criação de uma plataforma de educação financeira que possibilite ao brasileiro “realizar um diagnóstico de sua saúde financeira”. A ferramenta também fornece trilhas de aprendizagem personalizadas. O cidadão que participa desse projeto tem recompensas, uma espécie de programa de pilhagens das instituições financeiras. “Um dos primeiros passos para a construção de uma plataforma inovadora é a criação de um Indicador de Saúde Financeira do brasileiro, para o qual está sendo realizada uma pesquisa de campo com 10 mil brasileiros”, afirmou Campos Neto.

De acordo com o presidente do BC, o projeto piloto da plataforma está previsto para ser entregue até janeiro de 2021. A plataforma completa estará disponível em outubro do mesmo ano. Outra ação do BC é o Mutirão de Orientação Financeira e Renegociação de Dívidas, realizado em dezembro de 2019. Segundo a autoridade monetária, 9 grandes bancos participaram do projeto. Foram 820 mil negociações realizadas com volume total de R$ 4,5 bilhões (62% a mais do que em uma semana padrão).

“É importante também mencionar que o BC disponibilizou em seu site uma página especial sobre educação financeira em tempos de coronavírus, com dicas, informações e links relevantes para o cidadão reorganizar sua vida financeira nesse período”, destacou Campos Neto.


Fonte: Poder 360